Cinema

Published on março 15th, 2018 | by Thiago Croft

0

Crítica do filme Tomb Raider – A Origem

Tomb Raider: A Origem, do diretor Roar Uthaug (A Onda), apresenta uma jovem, rebelde e independente Lara Croft (Vikander) no início da casa dos vinte que, desde a perda do pai, renegou sua herança e não aceita a morte do mesmo. Sua vida muda ao receber em seu testamento uma pista sobre o último paradeiro de lorde Croft, sem medo de enfrentar desafios, Lara imediatamente se lança para Yamatai, uma perigosa ilha na costa do Japão desbravando os perigos por detrás de uma antiga rainha do Japão – Himiko. A base da trama mescla o enredo principal do reboot de 2013 com elementos de sua continuação, com algumas mudanças para atender ao grande público.

O primeiro ato tem um ritmo ótimo, com belas sequencias de perseguição e mostrando como a personagem é atlética, mas que não necessariamente treinou a vida inteira para ser a exploradora de tumbas que estava destinada a ser, contudo pontuando em flashbacks pequenas coisas que, de certo modo, ela estava sendo preparada para aquilo. O longa peca (o cinema tem se repetido muito nisso ultimamente) em apresentar o enredo duas vezes: uma vez no prólogo e depois temos as mesmas informações quando Lara está descobrindo a pesquisa de seu pai. Isto é abusar da inteligência do espectador!

Alicia Vikander se entrega de corpo e alma para a personagem. Diferente do que foi com os dois primeiros longas com Angelina Jolie, neste eu estava com zero de
expectativa (justamente pelas mudanças que ocorreram com os jogos, que não valem a pena serem citados aqui). É visível o preparo físico da atriz para compor a personagem. Ela retrata de forma realista o sofrimento da personagem, embora no jogo seja mais pesado – como na cena que ela tem a barriga ferida e precisa lidar com isto. Ou ainda na primeira vez que precisa matar por sua vida. O jogo é bem pesado, induzindo que ela seria abusada sexualmente e luta não apenas por sua vida. Agradeço muito por terem deixado de lado a personagem Samantha Nishimura, pois é irritante nos jogos ter Lara berrando “Saaaaaaaaaaaaaaaaaaaam” para baixo e para cima o tempo inteiro. Não há mocinha a ser salva, pois em Tomb Raider a mocinha é quem salva o dia, ou o mundo. Trocadilhos a parte, Lara é forte, mas ao mesmo tempo não é inabalável; não é uma super-heroína capaz de proezas mirabolantes, embora a mesma realize saltos incríveis e desvie de armadilhas mortais. Dentro da realidade do gênero de aventura tudo é permitido.

Lara Croft salvando Sam

Enquanto Sam foi deixada de lado, outros easter-eggs estão inseridos para os fãs da saga. Algumas cenas foram meticulosamente gravadas para fazer alusão ao que a personagem passou pelos jogos. Por falar em easter-egg, posso estar enganado, porém na cena (que está nos trailers) de Lara apresentando seu nome e sobrenome na recepção da empresa da família, ao fundo toca uma música clássica que creio ser a mesma música usada na cena de Tomb Raider de 2001 com Angelina Jolie quando invadem a casa dela, na hora daquelas acrobacias. Uma homenagem sutil, passando o bastão?

O vilão Mathias Vogel (Walton Goggins) é sem graça, desde sempre um pau-mandado que não quer estar ali, não tem objetivo ou sentido algum, apenas um canastrão que mata por matar e sem muita razão ou emoção. Ao término entendemos que ele era apenas um peão para o verdadeiro vilão que orquestrava tudo das sombras.

Contudo o ponto fraco foi o ponto de virada, um plot-twist forçado que, além de aparentemente forçar a dramaticidade do roteiro, diminuiu a importância da personagem. Enquanto no reboot de 2013 temos o slogan: Nasce uma sobrevivente, no longa-metragem inspirado do mesmo Lara parece não poder sobreviver por si só, precisando de alguém para ajudá-la, cuidando dela e até mesmo o arco e flecha (algo que sempre me irritou por fazer-me lembrar de Jogos Vorazes). Para o jogo é aceitável a idéia do arco, Lara está com fome, em perigo e sozinha numa ilha cercada por pessoas querendo matá-la. No filme ainda existem pessoas atrás dela, porém ela se depara com o arco e flechas repentinamente e decide pegá-lo. É tudo entregue de bandeja.

É uma aventura divertida que vai empolgar principalmente os fãs dos jogos e do gênero, mas não há grandes pretensões. Às portas de entregar um novo jogo, conseguiram revitalizar a Lara Croft para a nova geração.

Nota final: 8,5

 

Sobre o filme

Da Warner Bros. Pictures e Metro-Goldwyn-Mayer Pictures, Tomb Raider – A Origem é a história que vai colocar uma jovem e resoluta Lara Croft em um caminho para se tornar uma heroína global. O filme conta com a ganhadora do Oscar Alicia Vikander (“Ex_Machina: Instinto Artificial”, “A Garota Dinamarquesa”) no papel principal de Lara Croft, direção de Roar Uthaug (“A Onda”), produção do ganhador do Oscar Graham King (“Os Infiltrados”) sob a bandeira da sua GK Films. Os produtores executivos são Patrick McCormick, Denis O’Sullivan e Noah Hughes.

Tomb Raider – A Origem também tem em seu elenco Dominic West (“Jogo do Dinheiro”, “300”), Walton Goggins (“Os Oito Odiados”, “Django Livre”), Daniel Wu (série de TV “Into the Badlands”) e a indicada ao Oscar Kristin Scott Thomas (“O Paciente Inglês”).

Uthaug dirigiu a partir do roteiro escrito por Geneva Robertson-Dworet e Alastair Siddons, com história de Evan Daugherty e Robertson-Dworet. O time criativo nos bastidores incluiu o diretor de fotografia George Richmond (“Missão: Impossível – Nação Secreta”); o designer de produção Gary Freeman (“Malévola”); o editor indicado ao Oscar Stuart Baird (“007 – Operação Skyfall”, “A Montanha dos Gorilas”) e o editor Michael Tronick (“Esquadrão Suicida”); a figurinista vencedora do Oscar Colleen Atwood (“Animais Fantásticos e Onde Habitam”) e o figurinista Timothy A. Wonsik (assistente de figurinista, “Um Estado de Liberdade”, “Homem de Ferro”). A música é de Tom Holkenborg (“Mad Max: Estrada da Fúria”).

Tags: , , , , ,


Sobre o(a) Autor(a)

Carioca, fã de história de fantasia. Não passa um fim-de-semana sem jogar RPG, a não ser que seja para ir pra pista dançar Spice Girls. Joga videogame nas horas vagas e é autor de VLAD - Sangue e Fúria, Axélia - O Diário da Vampira e dos contos: Despertar e Amém, Senhor!



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top ↑