Datas Comemorativas

Published on maio 21st, 2019 | by sardinha

9

Seria o nerd de hoje um adulto que se recusou a crescer?

Esse texto é uma blogagem coletiva e vem levantar um tema que achei que cabia totalmente como uma homenagem ao Dia do Orgulho Nerd. Porque levanta a questão da criança que há dentro de nós nerds de carteirinha, muitas vezes incompreendidos.

Aqui eu vou contar um pouco da história que deu origem ao Minha Vida Geek e, tenho certeza, que será muito similar a de outras pessoas que, assim como eu, escolheu o caminho nerd da força.

Pessoas como eu, e como você que lê este blog, não se tornaram adultos convencionais. Isso porque nunca abandonamos a criança que existe dentro de nós. Ser criança não é ser infantil, nunca confunda isso. Ser criança é admitir que tem medo dos obstáculos que a vida nos impõe, mas ao mesmo tempo saber se divertir e levar a vida leve. Gostar de videogames, desenhos animados, jogos de tabuleiro e quadrinhos não faz de ninguém menos responsável ou maduro. Preferir ficar em casa assistindo Netflix ao invés de ir para um bar encher a cara, não é demérito. Os nerds saíram do armário e dominaram o mundo, mas poucas pessoas perceberam isso.

Vamos começar pela notícia que está mais em voga no momento. Quais são os 2 filmes com mais bilheteria no mundo? Não são filmes cabeça, de crítica social ou drama no bom estilo Oscar. São os 2 filmes nerds: Avatar e Vingadores Ultimado. A cada dia mais e mais lojas e bares com jogos de tabuleiro estão abrindo. Jogos eletrônicos competitivos se tornaram esporte e são transmitidos em canais de TV. Grandes lojas de magazine (como Riachuelo, Renner, C&A) passaram a fazer linhas de roupas nerds. O mundo mudou, mas nem sempre foi assim tão fácil manter seu lado criança aflorado.

Aos 14 conheci o famoso jogo de RPG Dungeons & Dragons. Um grupo de meninos jogava na escola, mas não fui permitida participar por ser menina. Aos 15 anos tentei 3 vezes ir à eventos de RPG, mas só haviam garotos e todos me olhavam como se fosse um bicho de 7 cabeças. Mal sabiam eles que eu já era do mundo nerd antes mesmo de surgir aquele jogo…rs. Aos 3 anos de idade eu tinha um videogame chamado Dactar (genérico do Atari). Os anos se passaram e eu cresci jogando tanto em consoles quanto no computador, além de assistir a todos os desenhos animados que passavam na TV e ler quadrinhos. Fui uma tola ao chorar pela morte da Jean Grey aos 12 anos, só para vê-la retornar 2 quadrinhos depois como Fênix, se tornar má, se redimir, sofrer, morrer e voltar novamente. E assim decidi nunca mais acreditar quando a Marvel fala que um personagem morreu, rs. Na década de 80 e 90 era muito difícil ser nerd. Eu ia pra a faculdade com quadrinhos embaixo do braço, sonhava em escrever minha própria HQ… cheguei a participar de um fanzine, mas não foi para frente. Fiz minha monografia falando sobre o RPG aplicado na educação, produzi um curta-metragem de terror e aprendi a jogar Quake no meu 1º estágio. Sempre fui nerd. A criança dentro de mim nunca morreu… pelo contrário, só me fortalece. Essa criança interior me fez chegar aonde estou hoje… aqui, escrevendo o Minha Vida Geek.

Moral da história? Seja você mesmo. Se você curte metade do que falei nesse texto… se você se identifica, saia do armário e se aceite como nerd…rs. Não faz mal querer se divertir… brincar. Deixe que a criança que você era se orgulhe do adulto que se tornou.

 

Confira também os textos dos outros participantes:

Essa blogagem coletiva foi organizada por meio da BlogaWeb – A rede social dos blogueiros e blogueiras.


Sobre o(a) Autor(a)

Claudia Sardinha não consegue passar um dia sem assistir um episódio de seriado (já são uns 40 na lista). Ama jogar videogame e é viciada em resident Evil (e nunca diga que é jogo de zumbi perto dela). Adora jogar FPS no PC e ler livros de fantasia nas longas viagens de ônibus pro trabalho.



9 Responses to Seria o nerd de hoje um adulto que se recusou a crescer?

  1. Adoro ser nerd. Quando eu era adolescente isso era mal visto, hoje em dia as pessoas desejam ser. Como o mundo dá voltas, não é?

    Achei interessante como você adaptou o tema da blogagem ao nicho do seu blog e adorei a abordagem.

    Eu acho que essas obras de ficção como quadrinhos, filmes e jogos fazem com que de certa forma a antiga criança que habita dentro de mim vibre, mesmo que as histórias não sejam infantis de fato. Elas despertam imaginação, fantasia. É maravilhoso!

    Parabéns pelo texto e parabéns pelo blog!

    • sardinha says:

      POis é.. quando o tema sugerido mostrou uma imagem de Peter Pan eu não pude deixar de pensar o quão nerd isso era… pelo menos pra mim, rs. A minha criança interior nunca morreu. E como a postagem era próxima ao dia do Orgulho Nerd, achei que cabia essa adaptação. Fico feliz que tenha gostado e espero participar de outras blogagens coletivas 🙂

  2. Oiii,
    As vzs é dificil deixar transparecer o que realmente somos mais n é impossivel.
    Lidar com rejeiçoes é complicado
    Abs

  3. Juh Bassan says:

    Super me identifiquei com vários pontos no seu texto. Acho que quanto mais nerds saírem do armário melhor, faz com que a gente não se ainda só 😍 Ser menina e ler quadrinhos era quase uma afronta aos moleques na escola. E essa popularidade de hoje permite que mais meninas se sintam empoderadas e inspiradas a serem e gostarem do que for <3
    Um beijo!

  4. Pingback: A criança que eu era se orgulharia do adulto que eu me tornei? – O Instável Mundo da Juh

  5. Que ótimo texto, se aceitar do que jeito que é , é essencial para começar a ser feliz. Adorei participar desta blogagem e já ansiosa pela próxima!

  6. Pingback: Blogagem Coletiva - Maio/2019 - BlogaWeb

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top ↑