Notícia no image

Published on setembro 25th, 2009 | by sardinha

5

Vivemos uma vida virtual?

Bom, para começar essa análise devemos primeiro entender o seu significado.

Virtual é algo que não é físico, concreto. Apenas conceitual; aquilo que não é palpável.

Atualmente falam muito que o ser humano está vivendo, cada vez mais, uma vida virtual e que isso seria “culpa” da internet.

Com o avanço da tecnologia, o termo virtual ficou, realmente, muito associado à internet. E faz sentido, pois, por exemplo, escrevemos cartas (e-mails) sem usar caneta e mandamos por um “correio” que não pega trânsito, não precisa atravessar o atlântico de avião, nem correr de cachorro bravo.

vivemos num mundo virtual?

vivemos num mundo virtual?


Mas o mundo virtual é mais antigo que a tecnologia. Estamos “presos” no virtual pelo simples fato de sermos humanos. Ou o ato de sonhar é real para alguém?

Trabalhamos o imaginário diariamente. Seja na observação do cotidiano, nos planos para o futuro, na leitura de um livro, assistindo a uma novela ou série e, claro, acessando a internet.

Estamos a cada dia mais virtualizados, pois é isso que buscamos. Para superar o real, somente algumas doses de virtual. Com isso, alguns mais despreparados acabam caindo no vício do fictício, outros, até enlouquecem não conseguindo discernir entre ambos os mundos.

E assim seguimos… virtualizando…

Trouxe a tona essa questão, pois recebi um e-mail… daqueles, tipo corrente, mas que fazia esse contra-ponto. Usamos tanto esse termo como algo atual, que esquecemos seu significado real.

Esta crônica consta dos livros Razão e PreTextos, editora all print. Registrada na biblioteca nacional desde junho de 2003, algumas versões desta crônica circulam errôneamente na net como sendo de autoria desconhecida, mas pertence a Rosa Pena é escritora, autora de diversos textos e livros, e também professora, administradora de empresas e especialista em recursos audiovisuais e artes cênicas.

 

Entro apressada e com muita fome na confeitaria. Escolho uma mesa bem afastada do movimento, pois quero aproveitar a folga para comer e passar um e-mail urgente para meu editor.

Peço uma porção de fritas, um sanduíche de rosbife e um suco de laranja.
Abro o laptop.

Levo um susto com aquela voz baixinha atrás de mim.
— Tia, dá um trocado?
— Não tenho, menino.
— Só uma moedinha para comprar um pão.
— Está bem, compro um para você.


Minha caixa de entrada está lotada de e-mails. Fico distraída vendo as poesias, as formatações lindas. Ah! Essa música me leva a Londres.

— Tia, pede para colocar margarina e queijo também.

Percebo que o menino tinha ficado ali.— Ok, vou pedir, mas depois me deixa trabalhar. Estou ocupadíssima.

Chega minha refeição e junto com ela meu constrangimento.

Faço o pedido do guri, e o garçom me pergunta se quero que mande o garoto “ir à luta”. Meus resquícios de consciência me impedem de dizer sim.

Digo que está tudo bem, que o deixe ficar e traga o pedido do menino.

— Tia, você tem internet?
— Tenho sim, essencial ao mundo de hoje.
— O que é internet?
— É um local no computador, onde podemos ver e ouvir muitas coisas, notícias, músicas, conhecer pessoas, ler, escrever, sonhar. Tem de tudo no mundo virtual.
— E o que é virtual?


Resolvo dar uma explicação simplificada, na certeza de que ele pouco vai entender e vai me liberar para comer minha deliciosa refeição, sem culpas.

— Virtual é um local que imaginamos, algo que não podemos pegar, tocar. É lá que criamos um monte de coisas que gostaríamos de fazer, criamos nossas fantasias, transformamos o mundo em quase como queríamos que ele fosse.

— Legal isso. Adoro!
— Menino, você entendeu o que é virtual?
— Sim, também vivo neste mundo virtual.
— Nossa! Você tem computador?
— Não, mas meu mundo também é desse jeito…virtual.


Minha mãe trabalha, fica o dia todo fora, só chega muito tarde, quase não a vejo. Eu fico cuidando do meu irmão pequeno que chora de fome e eu dou água para ele imaginar que é sopa. Minha irmã mais velha sai todo dia, diz que vai vender o corpo, mas não entendo pois ela sempre volta com o corpo. Meu pai está na cadeia há muito tempo, mas sempre imagino nossa família toda junta em casa, muita comida, muitos brinquedos, ceia de Natal, e eu indo ao colégio para virar médico um dia.

Isso é virtual, não é tia?


E se você acha que está exgerando no mundo virtual e deseja alguém para conversar, a psicóloga Fernanda Villas Boas está oferecendo um atendimento gratuito para aqueles que disserem ser indicados pelo site Tecnologia Outonal.

Abraços a todos e um ótimo fim-de-semana 🙂
Claudia Sardinha

Tags: ,


Sobre o(a) Autor(a)

Publicitária e TI. Fundadora do Minha Vida Geek. Já forneceu conteúdo para portais como Tech Tudo e Papo Aleatório. Atuante no evento boardgamer SeJoga. Não consegue passar um dia sem assistir um seriado. Ama jogar videogame e é viciada em resident Evil (e nunca diga que é jogo de zumbi). Adora ler livros de fantasia nas longas viagens de ônibus pelos trânsitos do Rio de Janeiro.



5 Responses to Vivemos uma vida virtual?

  1. Dalma Almeida says:

    Crônica excelente. Muito real.
    Amei. 😳

  2. Claudia Sardinha says:

    Muito grata pelo elogio, Dalma 🙂
    Volte sempre.

  3. Charlesi says:

    Boa noite,

    gostaria de conversar com você sobre mundo virtual e ilusoes. Tem interesse?

  4. Luis says:

    Olha a contradição da autora: diz que virtual é só um conceito. E a internet não é algo existente?
    Um diálogo entre duas pessoas, cada uma em cidades diferentes, através do computador, não é nada mais do que algo real, existente, que tem e poderá ter efeitos físicos.

    O uso do termo virtual como se fosse sinônimo de internet, é usado por algumas pessoas que infelizmente não se dão ao trabalho de pensar um pouco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top ↑
  • POSTAGENS ANTIGAS


error

Gostou desse blog? Então, não esqueça de compartilhar! :)