Ainbo: A Guerreira da Amazônia – review completo

Se você está procurando um filme de animação fofo para crianças, então dê uma olhada em Ainbo A Guerreira da Amazônia. Com um enfoque ambiental e uma mensagem sobre ser forte e não “apenas uma garota”, o desenho chamará atenção principalmente das meninas.

A animação se passa na Floresta Amazônica, mas não é uma produção brasileira. Os países de origem da animação são Peru e Holanda. Nesse filme animado conhecemos Ainbo, uma órfã de 13 anos que tem um coração forte e corajoso. Ela sonha em ser uma grande caçadora como sua mãe, mas até o momento é apenas atrapalhada, rs. Ela é a melhor amiga da filha do chefe da aldeia, Zumi, que está prestes a assumir a liderança da tribo.

Ainbo: A Guerreira da Amazônia tem narrativa e inspiração visual de vários outros filmes de animação 3D, como Moana, Pocahontas e Rei Leão, mas não chega a ter a qualidade de animação dos mesmos. Ocasionalmente, as expressões faciais são meio rígidas e a paisagem e os cenários bastante simples. O que realmente traz o impacto visual desse filme é o uso de cores. É tudo muito vívido com muito verde. Na escuridão, a vibração irradia as cenas com uma bela gama de luz, desde o piscar da chama e das estrelas no céu até o brilho simples da natureza. Os gráficos são coloridos e envolventes, mas também um pouco artificiais, como um videogame, em vez de um longa-metragem.

A história de Ainbo também é um pouco fraca e agradará, provavelmente, somente crianças menores de até 8 anos no máximo. O enredo fica um pouco confuso e há mensagens contraditórias sobre o colonialismo e a destruição da floresta tropical. Por exemplo, o filme sugere que os espíritos malignos – e não apenas a ganância – explicam o mau comportamento das indústrias que exploram os recursos naturais e as terras indígenas. Isso tende a desviar sua responsabilidade.

O filme tem uma mensagem bacana… de que nossas conexões com a natureza e as comunidades nos fortalecem e que os efeitos do colonialismo e capitalismo destroem as populações indígenas em todo o mundo.

Nota: 6

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *