#HojeNoMundoGeek Morria Christopher Reeve, eterno Superman

Em 10 de outubro de 2004, o ator Christopher Reeve, que ficou famoso por seu papel em quatro filmes do Superman, morreu de insuficiência cardíaca aos 52 anos. Reeve, que ficou paralítico em um acidente a cavalo em 1995 e, com isso, se tornou um dos principais defensores da pesquisa da medula espinhal.

Era um excelente ator e uma pessoa de muita fibra. Nos deixou cedo demais, mas sempre será lembrado como o ator que conseguiu mostrar a diferença entre o Clark Kent e o Super-Homem apenas com sua atuação. O ator iniciou sua jornada para a fama em 1978, quando foi selecionado entre mais de 200 outros atores para o papel principal no filme Superman. Reeve ficou tetraplégico em 1995, por conta de uma queda de cavalo, e morreu vítima de um infarto causado por uma infecção.

Em 27 de maio de 1995, Reeve, um atleta forte e ávido cavaleiro, ficou paralisado do pescoço para baixo após ser arremessado de seu cavalo e quebrar o pescoço durante uma competição equestre na Virgínia. O ator então se tornou um defensor das pessoas com lesões na medula espinhal e também fez lobby pelo financiamento do governo para pesquisas com células-tronco embrionárias. Durante um discurso no Oscar de 1996, Reeve exortou a comunidade de Hollywood a fazer mais filmes sobre questões sociais. Além de seu trabalho de arrecadação de fundos e como advogado, Reeve escreveu dois livros sobre suas experiências de vida e continuou sua carreira de ator.

Em 1997, ele fez sua estréia na direção com In the Gloaming, da HBO, que foi indicado a cinco prêmios Emmy, e em 1999, ele estrelou um remake do clássico thriller de Alfred Hitchcock Janela Indiscreta, The Brooke Ellison Story, um filme baseado em um verdadeiro história sobre o primeiro tetraplégico a se formar na Universidade de Harvard.

Em 2000, Reeve, que mantinha regime intensivo de fisioterapia desde a época do acidente, conseguiu mexer o dedo indicador. Ele declarou publicamente que estava determinado a andar novamente. No obituário de Reeve no New York Times, um dos médicos que o tratou disse: “Antes [de Reeve] realmente não havia esperança. Se você tivesse uma lesão na medula espinhal como a dele, não havia muito que pudesse ser feito, mas ele mudou tudo isso, ele demonstrou que há esperança e que há coisas que podem ser feitas. ”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *